E-sports: Entenda tudo sobre os esportes eletrônicos

25/03/2024
POR
Thayná Soares
COMPARTILHE:
O que você vai ver neste artigo:

Que atire a primeira pedra quem nunca arregaçou as mangas depois de perder em um jogo e disse “agora eu vou jogar sério”.

No ecossistema gamer, alguns jogam tão sério que não param só na diversão. Pois é: está muito enganado (e bastante atrasado) quem ainda vê nos games uma fatia pequena de entretenimento sem grandes emoções. Um exemplo disso é o espaço cada vez mais relevante dos eSports.

Ou E-sports. Ou até esports, mesmo.

A grafia varia, mas o sentimento é uma constante. Gamers de todo o mundo dividem-se entre jogar apenas por paixão e jogar como profissão, ganhando o título de pro-player ao embarcar na jornada do jogador profissional.

Mas não é só o gamer que “sobe de nível” ao expandir suas habilidades para além do amadorismo. Como dito anteriormente, o espaço dos eSports tem crescido tanto que é comum vermos campeonatos enormes movimentando multidões e oferecendo premiações milionárias para equipes vencedoras.

Como isso tudo funciona? Logo chegaremos lá.

Por hora, vamos por partes:

O que são eSports?

Esportes eletrônicos, mais conhecidos como eSports, são competições de videogame voltadas para o âmbito profissional, onde jogadores (pro players) disputam em equipes ou de forma individual.

Assim como nos esportes tradicionais, essas competições variam, por sua vez, em diferentes gêneros de jogos digitais. Alguns que podemos citar são estratégia em tempo real, tiro em primeira pessoa, batalhas de RPG online e jogos de luta, entre várias outras possibilidades.

Normalmente essas grandes pelejas virtuais ocorrem em grandes eventos presenciais, como torneios de arena em salões apropriados, ou online, transmitidas ao vivo por meio de plataformas de streaming.

A popularidade dos eSports cresceu tanto nas últimas décadas que eles têm seu próprio espaço em sites de esportes tradicionais, além da presença badalada de equipes como a LOUD nas redes sociais.

Com uma base de fãs cada vez maior, prêmios em dinheiro e patrocínios de grandes marcas de fora do ecossistema gamer, os esportes eletrônicos mostram que a principal diferença entre eles e os esportes convencionais é que a maior movimentação que acontece em campo está na mente (e nas mãos) de cada jogador.

Até porque não basta apertar algumas teclas.

Quem assiste eSports?

Apesar da maioria dos jogadores brasileiros estarem na faixa etária dos 30 aos 40 anos, os eSports são especialmente populares entre os mais jovens, incluindo adolescentes e adultos que cresceram jogando videogames e estão profundamente envolvidos na cultura dos jogos.

É claro que os próprios jogadores de videogame são uma parte significativa da audiência de eSports. Muitos players gostam de assistir a competições profissionais para aprender com os mais fortes, acompanhando assim as estratégias que estão em alta e se envolvendo com a comunidade de jogos.

O hype das competições presenciais é tão forte que há quem participe pela emoção da galera. Se existem pais que levam seus filhos para assistir a jogos de futebol em estádios, há também aqueles que fazem o mesmo em eventos de eSports.

E-sports e o gamer brasileiro

Pesquisas como a PGB costumam fornecer insights valiosos sobre o comportamento dos jogadores brasileiros, incluindo o interesse crescente do público local em esportes eletrônicos.

Em abril de 2023, nossos relatórios revelaram que os eSports tinham (e têm) potencial para dar e vender. Estamos falando de um dos ecossistemas mais relevantes para o consumidor de games, onde 82,9% dos gamers conhecem esportes eletrônicos e 48,8% deles praticam.

Tá, mas e o consumo?

Dados extraídos da Pesquisa Game Brasil em 2023 apontam que 63,8% dos gamers brasileiros têm o hábito de acompanhar ou assistir competições de eSports. 39,2% (a maioria) assistem a vídeos ou leem sobre esportes eletrônicos de uma a três horas por semana.

A frequência é cotidiana. 26,5% dos jogadores vivem os eSports de duas vezes por semana, 26,1% três vezes por semana e 18,2% consomem esportes eletrônicos diariamente.

Só 1,1% diz não consumir.

Além desses números de consumo, também analisamos quais os gêneros que mais movem as comunidades brasileiras. Em primeiro lugar, com 81,4%, o futebol. Somos ou não somos o país dele, afinal? Logo depois vem o Battle Royale (69,6%), com jogos de luta logo em terceiro (61,3%).

E não só de consumo os brasileiros vivem. 64,6% deles também praticam o futebol digital, seguido pelo FPS em 62,4% e o gigante MOBA em 59,3%.

Agora, se você quiser dados mais atuais sobre o consumo de eSports, melhor abrir o aplicativo de calendário. Os relatórios de esportes eletrônicos da PGB chegam em maio deste ano – um countdown de 1 mês que valerá a pena esperar.

Por enquanto, baixe aqui a edição gratuita. Informação valiosa é o que não falta.

Nossa querida Pesquisa Game Brasil se consolidou no mercado como um levantamento anual sobre o consumo de jogos digitais aqui no Brasil (e na América Latina!), chegando à sua 11ª edição em 2024.

Mas antes de chegar nos dados analisados por ela, vamos compreender um pouco mais do universo dos eSports.

Qual é a origem dos eSports?

Os eSports nasceram nas primeiras competições que remontam às décadas de 1970 e 1980, quando os primeiros jogos de arcade e consoles domésticos foram introduzidos.

Já o conceito de competir oficialmente em jogos de videogame se desenvolveu gradualmente ao longo do tempo, acompanhando a evolução dos jogos e sua popularidade à medida que se tornaram mais acessíveis.

O surgimento dos esportes eletrônicos como o conhecemos hoje pode, em grande parte, estar relacionado com a chegada e expansão da internet e ao crescimento da comunidade de jogos online nos anos 90 e 2000.

É que com o aumento da conectividade online, os jogadores começaram a competir uns contra os outros em jogos multiplayer sem sair de casa, seja em computadores ou consoles.

Muitos inclusive participavam de torneios em lan houses, onde a galera se reunia para partidas desafiadoras a partir de regras pré-estabelecidas entre pequenas organizações (ou até mesmo entre eles mesmos).

Durante a expansão digital dos anos 90, jogos como Counter-Strike e StarCraft se destacaram entre os primeiros títulos a serem jogados competitivamente em eventos presenciais e online. Depois deles, vários outros jogos começaram a adentrar a cena, cada um desenvolvendo seus próprios cenários competitivos e comunidade de fãs.

Já na chegada dos anos 2000, a popularidade dos eSports cresceu rapidamente. Ligas profissionais, torneios patrocinados e prêmios em grandes quantias começaram a transformar eventos casuais em ações sustentadas oficialmente, inclusive pelas próprias publicadoras e desenvolvedoras.

A transmissão de competições de eSports pela internet através de plataformas de streaming também desempenhou um papel primordial no alcance e expansão do público e na disseminação da cultura dos esportes eletrônicos no mundo todo.

Em outras palavras, jogos e tecnologia estão sempre tão intrinsecamente ligados que até o envolvimento da própria comunidade é afetado por essa conexão. De que outro modo competiriam durante a pandemia, por exemplo?

Hoje, os esports são uma indústria multimilionária em escala global. Sua base de fãs é cada vez maior, algo percebido em eventos presenciais cujas arenas estão sempre lotadas, e em jogadores profissionais (pro players) que viram celebridades internacionais.

A evolução dos eSports não só reflete o avanço tecnológico como o crescimento da cultura gamer, a necessidade humana por pertencimento em grandes comunidades e, é claro, seu desejo inato de se destacar em um ambiente – ainda que ele seja virtual.

E-sports são esportes?

Ooh, assunto polêmico!

A discussão eSports x esportes é tão ampla que tem virado objeto de debate com muitas opiniões diferentes. A resposta técnica, no caso, depende muito da definição de “esporte” oficialmente utilizada, das características que as instituições oficiais consideram e do que podemos contabilizar para algo ser considerado um esporte propriamente dito.

Uma pesquisa rápida na internet (e o próprio senso comum) mostra que os esportes tradicionais envolvem atividades físicas e competições em que os participantes busquem alcançar um objetivo específico, seja ele a marcação de pontos, superação de adversários ou ultrapassagem de desafios.

Ao levar todos esses detalhes em conta, há quem argumente que os eSports não se encaixam na definição clássica, pois geralmente envolvem o âmbito virtual em vez de atividades físicas reais.

Já os que defendem os eSports como esportes argumentam que eles compartilham, sim, muitas características com os esportes tradicionais. São elas:

  • Espaço de competição
  • Momento de preparação
  • Estabelecimento de estratégias
  • Envolvimento e muita dedicação

E você, de que lado está? Nem me pergunte, vou me abster. Minha tarefa aqui é explicitamente educativa e nada mais! 

Quais são os jogos considerados esportes eletrônicos?

A classificação de quais jogos são considerados eSports e quais não são também depende de vários fatores. São eles:

  • popularidade do jogo
  • base sólida de jogadores
  • interesse da comunidade
  • cena competitiva organizada

Além disso, alguns desenvolvedores e publicadoras apoiam o desenvolvimento de uma cena competitiva saudável, o que é crucial para que a cena esportiva dê frutos. Isso pode incluir o lançamento de atualizações e patches específicos, alterações no balanceamento do jogo para a competição e o suporte financeiro para que torneios e ligas saiam do papel.

Jogos que atendem a todos esses critérios têm grandes chances de serem considerados ideais para os eSports, além de atrair uma base de fãs dedicada e o surgimento de competidores profissionais.

Já pensou em ser pro player do seu jogo favorito? :O

Para te deixar mais por dentro de quais jogos estão no cenário dos esportes eletrônicos, trouxe alguns com seus respectivos gêneros logo abaixo:

Jogos de Estratégia (MOBA)

Antes de te apresentar aos três títulos principais deste gênero, aqui vai uma breve explicação:

Jogos MOBA (Multiplayer Online Battle Arena) pertencem a um subgênero de jogos de estratégia em tempo real. Suas partidas competitivas geralmente acontecem entre duas equipes de jogadores compostas por cinco membros (dez jogadores em campo).

Dito isso, um dos jogos mais populares é o League of Legends (LoL para os íntimos). O MOBA desenvolvido e publicado pela Riot Games foi lançado em 2009 e chegou ao Brasil em 2014, tornando-se um dos títulos mais populares e influentes do mundo.

São milhões de jogadores ativos pelo planeta inteiro.

League of Legends

No cenário de eSports, o LoLzinho é uma verdadeira potência. O jogo possui várias ligas espalhadas pelo globo, incluindo a gigante Liga Profissional de League of Legends (LPL, na China), a Liga Norte-Americana de League of Legends (LCS), a LCK na Coreia do Sul, entre outras.

Só elas já abrigam algumas das melhores equipes do mundo.

Organizadas em torneios regulares, ligas locais trilham o caminho até o Campeonato Mundial de League of Legends, um evento anual que atrai milhões de espectadores e, de quebra, oferece prêmios milionários para as equipes vencedoras.

Enquanto isso, no Brasil, temos o Campeonato Brasileiro de LoL (CBLOL), uma potência igualmente enorme que movimenta a comunidade local.

Dota 2

Outro jogo bastante popular do gênero MOBA é o Dota 2, desenvolvido e publicado pela Valve Corporation. Lançado em 2013, o título rapidamente se tornou um dos jogos mais populares e influentes, contando com uma grande base de jogadores e uma cena competitiva eletrizante.

Dota 2 também bota pra quebrar no cenário de eSports.

O torneio principal do jogo chama-se The International, um evento anual que atrai os melhores times do mundo todo para que eles compitam entre si. A premiação? Enorme também. A maior de todas, na verdade, e você pode ler mais sobre ela aqui.

O The International é conhecido por seus prêmios em altas quantias e pela intensa competição entre as equipes, que cá entre nós, tem um baita estímulo extra para alcançar a vitória suprema.

Honor of Kings

Um que chegou ano passado em território brasileiro e já está estourando em popularidade é o Honor of Kings, MOBA desenvolvido pela TiMi Studios, uma subsidiária da Tencent Games.

Lançado em 2015, o jogo rapidamente se tornou um dos títulos mais populares na China e em outras regiões da Ásia. Era de se esperar que bombasse aqui também.

Sua base de jogadores na China era tão grande que Honor of Kings se tornou um dos principais jogos de eSports por aquelas terras, contando com competições profissionais, transmissões ao vivo e, é claro, prêmios em altas quantias.

Embora ainda não tenha alcançado o mesmo nível de reconhecimento global que um League of Legends ou Dota 2, HoK continua em crescimento contínuo, e pode até se tornar uma presença mais influente no futuro.

Jogos de FPS (First Person Shooters)

Jogos FPS (First-Person Shooters) representam um gênero onde os jogadores assumem o papel de um personagem pela perspectiva dele, ou seja, quando você joga, vê apenas suas mãos se movimentando ao invés do corpo inteiro. Isso porque você está assimilando o ponto de vista do seu avatar.

O principal objetivo desses títulos é usar armas de fogo para derrotar inimigos e completar missões in-game.

Valorant

É claro que o primeiro nome a abrir esse tópico seria Valorant. Desenvolvido e publicado pela Riot Games, mesma empresa responsável por LoL, o FPS chegou no Brasil e no mundo inteiro em 2020 e tem rendido uma comunidade super sólida desde então.

Sua popularidade tem respaldo. O jogo é bastante conhecido por seus combates multiplayer extremamente cooperativos, personagens com habilidades únicas e muita representatividade.

Dentro dos eSports, Valorant não só é proeminente e bem estabelecido como tem a participação de uma das equipes mais relevantes na América Latina, a LOUD. Seu histórico de competições profissionais é intenso, com ligas acontecendo em toda parte do mundo e grandes quantias em prêmios.

Counter-Strike

Com um início diferentão, surgindo como um mod para o jogo Half-Life em 1999, Counter-Strike é uma franquia FPS das antigas. A série cresceu em popularidade desde então e se tornou um dos pilares do cenário de eSports e do próprio gênero.

Nem precisa dizer que a base de fãs é global, né?

CS é conhecido por seus eventos presenciais de grande porte, que lotam arenas com multidões fiéis e bastante animadas. Além dos torneios profissionais, o CS:GO também possui uma cena competitiva amadora, com muitos jogadores em busca de se tornarem profissionais.

Rainbow Six

Por último mas não menos relevante, Rainbow Six é uma franquia de jogos FPS desenvolvida pela Ubisoft. O título principal da série lançado em 2015, Rainbow Six Siege, é conhecido pela jogabilidade estratégica e foco no trabalho em equipe.

Se tratando de eSports, Rainbow Six Siege surgiu como uma das principais competições de FPS.

Um exemplo é o Rainbow Six Pro League, organizado pela Ubisoft, principal torneio profissional da série. Equipes de todo o mundo competem em torneios regionais e globais, contando com estruturas classe A para receber a multidão agitada.

Jogos de Luta (Fighting Games)

Dá-lhe explicação: Jogos de luta formam um gênero de videogames que se concentram em combates mano a mano entre personagens controlados pelo próprio jogador.

Esses jogos geralmente colocam os jogadores em confrontos um contra um, ou contra o computador no caso dos players solitários. Durante a partida, usa-se uma variedade de movimentos de ataque, defesa e habilidades especiais (famosos combos) para derrotar seus oponentes.

E para não perder o traço clássico deste artigo, vamos começar com ele: Street Fighter, série icônica desenvolvida pela Capcom.

Street Fighter

Lançado inicialmente lá atrás em 1987, o jogo rapidamente se tornou um dos mais populares e influentes do gênero. O poder é tanto que Street Fighter chegou até a definir muitos dos elementos fundamentais dos jogos de luta modernos.

No cenário de eSports, Street Fighter é uma presença bastante relevante.

Os títulos da série têm uma longa história de competições profissionais e torneios de alto nível (como o Capcom Pro Tour), que remontam aos primórdios do cenário de jogos competitivos que citamos no começo. O jogo mais recente da série, Street Fighter V, é o principal título usado em competições de eSports.

Mortal Kombat

Clássico bom é clássico que continua na ativa. Mortal Kombat é uma série de jogos de luta desenvolvida pela NetherRealm Studios, conhecida por sua jogabilidade brutal e personagens icônicos. Lançada em 1992, a série MK também influenciou o gênero de jogos de luta.

Falando de eSports, Mortal Kombat tem uma presença igualmente relevante, especialmente com o lançamento dos jogos mais recentes da série.

A NetherRealm Studios organiza torneios e competições oficiais regularmente, incluindo o Mortal Kombat Pro Kompetition. O evento atrai jogadores profissionais de todo o mundo e oferece prêmios em dinheiro.

Tekken

Tekken é a franquia de jogos de luta da Bandai Namco Entertainment, desenvolvedora e publicadora dos títulos em questão. Desde o seu lançamento em 1994, Tekken mantém sua popularidade graças a uma jogabilidade intensa, personagens únicos e mecânica de luta baseada em artes marciais.

No cenário de eSports, Tekken marca presença constante, até porque também teve um lançamento bastante recente para dar continuidade à série (Tekken 8).

Ativa na cena, a Bandai Namco Entertainment organiza competições como o Tekken World Tour, atraindo pro players do mundo todo para conquistar o título de campeão (e a premiação em dinheiro, é claro).

Jogos de Esportes

Esportes dentro de eSports? Sim, você não leu errado. Jogos de esportes são o que são: simuladores de esportes do mundo real, que permitem aos jogadores a participação virtual de competições e eventos esportivos.

Esses tipos de jogos reproduzem vários esportes no âmbito digital, desde futebol e basquete até golfe e corrida de carros. A ideia aqui é oferecer uma experiência realista e imersiva, ainda que movida por controles e telas.

EA Sports FC, antiga FIFA, é a principal série deste gênero. Sua comunidade é tão ativa, tão fiel e tão vibrante que dificilmente poderíamos começar esse tópico sem colocá-la em primeiro lugar.

EA Sports FC (FIFA)

Desenvolvida pela EA Sports, uma divisão da Electronic Arts, a franquia EA Sports FC se tornou uma das mais populares e influentes desde seu lançamento inicial em 1993.

E quando uma comunidade é tão viva assim, o mesmo se reflete nos eSports.

A presença do ex-FIFA é tão significativa que a própria EA Sports organiza diversos torneios, incluindo a FIFAe World Cup, principal evento competitivo da série. Esqueça a Copa do Mundo, aqui a competição é ainda mais acirrada.

NBA 2K

Se você prefere cestas a gols, aqui vai NBA 2K. A série lançada em 1999 conta com jogos de simulação de basquete desenvolvidos pela Visual Concepts e publicados pela 2K Sports. 

Os títulos dessa franquia também são bastante influentes em seu nicho.

No cenário de eSports, NBA 2K marca presença através da NBA 2K League, uma liga oficial criada pela parceria entre a NBA e a 2K Sports. Com seu início em 2018, a NBA 2K League apresenta equipes filiadas às franquias da própria NBA competindo em torneios regulares, incluindo temporadas de playoffs e um grande campeonato.

Forza Motorsport

Adrenalina sobre rodas! Forza Motorsport é uma franquia de simuladores de corrida automobilística desenvolvida pela Turn 10 Studios e publicada pela Xbox Game Studios.

Fãs de carros fazem a festa: o jogo preza pela fidelidade aos detalhes dos veículos e das pistas, tornando-se referência para os entusiastas.

Sua presença no cenário de eSports não é tão proeminente quanto os outros jogos citados até aqui, mas FM ainda conta com uma comunidade dedicada de jogadores competitivos. São eles que organizam torneios online para além das competições oficiais apoiadas pela desenvolvedora, como o Forza Racing Championship (ForzaRC).

Jogos de battle royale

Cuidado! Não confunda a posição do último gênero aqui citado como um tipo menos relevante. Muito pelo contrário.

Com um nome baseado no famoso livro de Koushun Takami, o Battle Royale coloca um grande número de jogadores uns contra os outros em uma competição de sobrevivência até que reste apenas um vencedor.

Last man standing total.

Abrimos então os caminhos do tema com PlayerUnknown’s Battlegrounds (PUBG), um jogo desenvolvido e publicado em 2017 pela Krafton e PUBG Corporation.

PlayerUnknown’s Battlegrounds (PUBG)

Seguindo o esquema da luta por sobrevivência, jogadores de PUBG iniciam o jogo com seus personagens caindo sobre uma ilha na qual devem lootear e lutar até que um se torne o último de pé. Há também a possibilidade de formar equipes, cabendo aos jogadores envolvidos lutarem pela sobrevivência dela.

Armas, facas e até as próprias mãos: com uma comunidade ativa em busca das melhores estratégias, PUBG se tornou um dos jogos mais populares e influentes do gênero.

Enquanto isso, no lado dos eSports, o título tem um envolvimento sólido através de torneios e competições de alto nível organizados pela desenvolvedora e por outras organizações. Além dos torneios regionais, o PUBG Global Championship (PGC) é o maior torneio global onde os melhores jogadores se reúnem para competir pelo título de campeão mundial.

Fortnite

Você já deve conhecer o Fortnite pelas suas mil e uma collabs com artistas. O Battle Royale da Epic Games foi lançado em 2017 e desde então levanta multidões com uma jogabilidade colorida, mecânica de construção única e eventos sazonais. É praticamente um fenômeno cultural.

O jogo também é proeminente na cena de eSports. A Epic Games organiza eventos competitivos de tempos em tempos, como a Fortnite World Cup, que oferece prêmios em altas quantias na disputa pelo pódio.

E já que a comunidade faz a força, há ainda uma variedade de torneios e competições independentes, organizados por organizações de eSports e criadores de conteúdo.

Free Fire

Desenvolvido pela 111 Dots Studio e publicado pela Garena, o “Frifas” para os íntimos se tornou incrivelmente popular desde seu lançamento em 2017. Ele tem uma jogabilidade acessível, dinâmica e igualmente acelerada como todo bom Battle Royale.

Contar com o Free Fire nos eSports é saber que sua projeção será ainda maior em regiões como o Brasil, Índia e sudeste asiático.

Demonstrando mais uma vez a importância do envolvimento das próprias desenvolvedoras e publicadoras, é a Garena que organiza os torneios e competições oficiais, incluindo a Free Fire World Series (FFWS) e a Free Fire Pro League. Nelas, o reconhecimento (e o dinheiro!) vem para os mais fortes.

Outros tipos de jogos

Mas e aí, existem outros gêneros no cenário dos esportes eletrônicos? A resposta curta é sim, existem, apenas não com o mesmo hype e influência.

O Just Dance, por exemplo, marca presença em competições voltadas para jogos de dança.  A série desenvolvida pela Ubisoft em 2009 desafia os jogadores a imitar movimentos de dança conforme aparecem na tela, levando em conta precisão e sincronização na hora de calcular os pontos.

Não é bem um cenário completo, mas acontece, principalmente em eventos de jogos abertos ao público.

A situação é a mesma com Fall Guys: Ultimate Knockout. O jogo multiplayer desenvolvido pela Mediatonic e publicado pela Devolver Digital foi lançado em 2020 e desde então cresce em popularidade por ser divertido e caótico em medidas iguais.

Apesar de não ter sido projetado inicialmente como um título de eSports, ele gerou interesse na comunidade competitiva até por já ter uma vibe bastante competitiva e imprevisível. Existem, sim, organizações e torneios independentes que abrem as portas para eventos de Fall Guys, promovendo o encontro de jogadores profissionais e amadores por prêmios em dinheiro.

Quais são as principais competições de eSports no Brasil?

O brasileiro se amarra em eventos de todos os tipos: esportivos, culturais, tecnológicos, artísticos… e ainda ouso dizer que os eSports englobam todos esses.

A animação da comunidade brasileira é tanta que várias desenvolvedoras já compreenderam esse potencial. Muitas aproveitam o hype de jogos que caíram no gosto do público brasileiro para trazer torneios regionais em nossas terras.

São eles:

  • CBLOL (Campeonato Brasileiro de League of Legends)
    Principal torneio de League of Legends no Brasil, organizado pela Riot Games.
  • Free Fire Pro League
    Um dos principais torneios de Free Fire no Brasil, organizado pela Garena.
  • Brasileirão Rainbow Six
    Competição oficial de Rainbow Six Siege no Brasil, organizada pela Ubisoft. 
  • ESL Pro League Brasil
    Parte da ESL Pro League global de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO).
  • PMGO (PUBG MOBILE GLOBAL OPEN)
    Torneio internacional do PUBG Mobile cujo palco este ano (2024) será no Brasil.

Isso sem contar os que não foram citados e os que ainda teremos pela frente. Onde há potencial, há planos para um futuro não tão distante.

Quais os 5 maiores esportes eletrônicos competitivos?

Levando em conta popularidade, audiência e valor em premiações, os cinco maiores jogos presentes no cenário de eSports são:

  • League of Legends
  • Dota 2
  • Counter-Strike: Global Offensive
  • Fortnite
  • VALORANT

Sendo esse último outro projeto desenvolvido pela Riot Games, um dos principais jogos de tiro tático da atualidade. Ele entra na cena dos esportes eletrônicos com torneios como o VALORANT Champions Tour (VCT), sendo o VALORANT Challengers Brasil um evento em território brasileiro.

Por que os eSports ganharam tanto espaço?

A evolução e a popularidade dos esportes eletrônicos não aconteceu da noite pro dia. Se formos resumir os verdadeiros “culpados” por trás dessa expansão, teríamos que montar um combo entre tecnologia, mídia, entretenimento e apoio da indústria gamer.

Os três primeiros fomentam o alcance do público como um todo: com jogos mobile ganhando força devido ao próprio telefone celular ser um dispositivo mais acessível do que um computador ou um console, há um alcance maior por um número maior de pessoas.

Ou seja, são mais pessoas jogando, e uma parte dessas pessoas vai jogar tanto que vai acabar se interessando pelo cenário competitivo – seja para participar, seja para assistir. 

A cobertura da mídia também se faz essencial. Como dito no início deste artigo, sites de esportes tradicionais têm criado espaços exclusivos para noticiar os eSports, movidos pela atratividade e pelo público que esse cenário providencia.

E pela relevância cada vez maior, é claro.

Já o entretenimento entra como realidade estabelecida em relatórios: 85,4% dos jogadores brasileiros consideram que jogos eletrônicos são uma das suas principais formas de diversão.

Opa, essa info tá na PGB? Quero baixar!

Essa diversão acaba expandindo-se para a competição profissional, que além de unir a comunidade, o sonho do profissional e o desejo do reconhecimento em um único lugar, também mostra que a cultura gamer é, sim, forte o suficiente para mover barreiras.

Espero que você tenha curtido aprender mais sobre esse ecossistema incrível que é o mundo dos jogos digitais e o eSports!

Se quiser encontrar outros artigos interessantes sobre temas diversos do mercado e da indústria gamer, dê uma navegada pelo blog do GG!

Nos vemos no próximo artigo 😉

Siga nossas redes sociais:

POSTS RELACIONADOS
10/04/2024
Collabs entre games e marcas: Como as empresas ganham com isso?
11/03/2024
Realidade Aumentada: O que é e por que aplicá-la em campanhas de marketing