Cultura data driven: Porque considerar o mercado de games na tomada de decisões

04/12/2023
POR
Thayná Soares
COMPARTILHE:
O que você vai ver neste artigo:

Dados, dados e mais dados! Em um mundo movido pela economia onde investimentos precisam ser bem calculados, não existe aliado mais poderoso do que a informação.

E a verdadeira informação só pode ser encontrada através de muita pesquisa.

Produtos, campanhas e ideias: toda novidade comercial precisa passar por um período de interpretação, análise e estudo de campo. Esses 3 fatores são imprescindíveis independentemente da indústria em que se encontram, o que significa que o mesmo vale para o crescente mundo dos jogos.

Mas antes de falarmos um pouco mais sobre a nossa indústria favorita e sua importância na economia mundial, vamos decifrar o data driven. O artigo de hoje vai te mostrar quais são as métricas que mais funcionam no mercado e o poder que elas exercem.

Vem com a gente que é GG 😉

Entendendo melhor o que é cultura data driven

Boas-vindas à era da cultura data driven!

Traduzido do inglês, a cultura baseada em dados trata o conhecimento como ferramenta fundamental para o sucesso de uma empresa perante o mercado.

Sem informação, sem decisão: os valores de quem trabalha sob essa perspectiva leva a obtenção de dados a sério, mas é na análise que mora o alicerce para tomadas de decisões.

E isso também vale para processos internos.

O nome “cultura data driven” pode até parecer novidade para algumas pessoas, mas ele vem acompanhando o avanço tecnológico há anos. Enquanto equipes inteiras são criadas para foco em pesquisa de mercado, aplicativos especializados e até mesmo as próprias redes sociais também oferecem relatórios de engajamento e consumo.

Sim, o data driven está entre nós.

Quando uma empresa obtém acesso a esse tipo de dado, ela ganha consciência de como o público consumidor a enxerga. Quando o dado é analisado, ele é transformado em base para que campanhas de atração e retenção de clientes tenham a melhor performance possível.

Por isso, quanto mais ramificados, melhor: o conhecimento obtido em interações orgânicas pode fortalecer até mesmo o branding da própria marca.

Ao utilizar dados para nortear suas ações, uma empresa pode contextualizar e personalizar seus projetos para diferentes tipos de clientes – incluindo o público gamer, cujo potencial falaremos em breve.

Assim, quando existe o desejo de explorar novos mercados e conquistar novas personas, ninguém precisa tatear no escuro. A cultura data driven está aí para providenciar uma evolução de sucesso que vai muito além de uma única indústria de atuação.

A importância de se criar uma cultura data driven nos dias atuais

A informação move o mundo desde sempre.

Gigantes só tornaram-se gigantes quando entenderam o mercado em que atuavam, estudando seus próximos passos como quem analisa um tabuleiro de xadrez. Por mais dramática que essa analogia pareça, indústrias funcionam da mesma forma.

Toda ação, seja ela uma campanha cotidiana ou lançamento inédito, vai obter uma reação do público. É por isso que conhecê-lo é tão importante.

A cultura data driven transforma os dados de mercado em conhecimento “próprio para consumo”. Isto é, a coleta feita por pesquisas personalizadas e metodologias específicas (como quantitativas, qualitativas, mercadológicas) traz o tipo exato de informação que prevê o sucesso de uma campanha ou projeto.

Sim, é possível fazer previsões antes mesmo de um produto ir ao ar.

Entender sua persona não termina na descoberta inicial. Empresas movidas pela cultura data driven estão mais propensas a evoluírem com o mercado e suas tecnologias, acompanhando e lançando tendências em um fluxo constante.

Em suma, a cultura data driven:

  • Ajuda as empresas a entenderem seus clientes
  • Aumenta as vendas graças a campanhas mais eficientes
  • Melhora a segmentação de clientes e clientes em potencial
  • Reduz custos através de estratégias voltadas à resolução de problemas

Agora que você já sabe o que significa ser “data driven” e quais os benefícios da obtenção de informações, hora de compreender sua atuação na prática.

E como a Go Gamers é expert no assunto, o alvo dessa prática não poderia ser diferente:

Como o mercado de games evoluiu durante os anos

Vamos aos dados: segundo projeções da Statista, estima-se que o mercado de jogos global vai movimentar mais de 490 bilhões de dólares até o fim de 2023.

Essas mesmas estimativas apontam um valor de 547 bilhões para o ano de 2024, e assim sucessivamente, lucrando cada vez mais com os avanços tecnológicos que já estamos presenciando nos dias de hoje.

O mercado de games não nasceu ontem, mas a tecnologia ainda está dando passos que, apesar de largos, têm muito caminho pela frente. Com o avanço da democratização do acesso à internet, estima-se que a América Latina crave o potencial que já vem construindo com o passar dos anos.

Lembrando que o Brasil chegou a ocupar a 10ª posição no ranking mundial de países que mais geram receita na indústria gamer — uma ascensão contínua nos últimos anos junto a países europeus e norte-americanos.

Vale notar que o mercado de jogos vai muito além da entrega do jogo final nas mãos do consumidor. Até chegar neste ponto, estudos como este citado anteriormente (incluindo nossa amada PGB) contabilizam o desenvolvimento, publicação, distribuição e monetização durante e após a compra de videogames.

Estamos falando de um mercado vasto e flexível, ampliando-se através de diferentes modalidades, gêneros e hardwares. Existem jogos de console, jogos para PC, jogos para celular e jogos web; assim como existem acessórios, incluindo os próprios consoles, fones de ouvido, óculos de realidade virtual e joysticks.

O mercado de jogos cresce tão rápido que já não se limita ao próprio escopo.

De um lado, empresas tradicionais da própria indústria gamer se mobilizam para criar produtos casuais para consumidores menos “hardcore”. De outro, temos empresas de diferentes setores criando campanhas e até serviços especificamente voltados para este universo.

De uma forma ou de outra, até quem não faz parte da indústria já está sendo afetado por ela.

Quer ler mais sobre a indústria de jogos na América Latina? Confira este artigo.

 A Pesquisa Game Brasil como ferramenta para a cultura data driven

Como falamos anteriormente, muitas empresas investem em equipes especializadas na coleta e análise de dados. Mesmo assim, elas também reconhecem a importância de ferramentas e materiais ricos que facilitem esse processo.

Se você se interessou pelo mercado gamer e quer fomentar a cultura data driven no seu dia a dia, o primeiro grande passo está na PGB.

A Pesquisa Game Brasil é um levantamento anual sobre o consumo de jogos eletrônicos em território nacional e latinoamericano, consolidando-se como a maior pesquisa do país quando o assunto é indústria gamer.

Em seus 10 anos de existência, a própria PGB evoluiu também. Acompanhar o consumo da população brasileira significa estar atrelado ao avanço do mercado gamer em si, e o que antes começou como uma pesquisa de jogos mobile hoje oferece relatórios que levam em conta outros mercados.

A PGB como aliada à cultura data driven entrega informações indispensáveis para quem quer investir no mercado gamer sem sentir que está “pisando em ovos”.

E isso pode ser comprovado pelo que há dentro dela:

Análise completa do mercado de games no Brasil

Antes de levantar qualquer investimento, é preciso levantar informações pertinentes.

A PGB traça o comportamento, consumo e tendências dos gamers na América Latina através de insights exclusivos sobre o perfil dos consumidores de jogos digitais. Alguns dos principais tópicos presentes nos relatórios são:

  • Perfil do público brasileiro
  • Perfil de compra
  • Perfil midiático
  • Hábitos de consumo

Isso não só cobre a informação sobre a persona como suas preferências e interesses.

Insights para tomadas de decisão

Fazer o reconhecimento de uma indústria inteira dá trabalho, mas esse é o tipo de ferramenta que agiliza o processo e ainda garante eficiência.

Os dados presentes na versão master, por exemplo, são acompanhados por análises mais intrínsecas que oferecem insights para todo tipo de decisão.

Dados segmentados

A organização dos relatórios não foi feita ao acaso. Começando pelo estudo do público brasileiro, a PGB segmenta os dados entre informações de perfil, preferências de consumo, interesses gerais, hábitos e comportamento.

Dos pilares citados acima surgem relatórios mais específicos, que proporcionam informações ainda mais ramificadas. Toda essa segmentação garante que empresas de diferentes setores efetuem as próprias análises conforme suas necessidades.

Compreensão de hábitos de consumo

O que o jogador brasileiro consome? Que marcas ele prefere e quais os motivos por trás dessas preferências? Entre informações e análises, a PGB mapeia o perfil do consumidor de jogos e o conecta ao consumo de outros produtos do cotidiano.

Quando você obtém acesso a esse tipo de dado, mais certeiras tornam-se as projeções de mercado. Nada melhor do que compreender os hábitos da sua persona de interesse.

Acesso contínuo a informações personalizadas

Dentro da Pesquisa Game Brasil existe um universo de dados valiosos para a cultura data driven. Fora dela, dois “braços” auxiliam no melhor desempenho dela enquanto ferramenta de trabalho.

O Data Insights é uma plataforma que possui todos os relatórios da PGB a um clique de distância. Se você tem uma campanha específica em mente, você pode consultar os dados necessários com toda a eficiência por trás dos filtros personalizáveis.

Já o Data Lobby, novidade no mercado, apresenta insights, dados e análises exclusivas sob a perspectiva do acompanhamento de rotina. Em outras palavras, enquanto a PGB tradicional traz relatórios anuais, o Data Lobby traz informações recentes todos os meses.

Ambas as ferramentas citadas acima são facilitadoras de processo e enriquecedoras de base. Mais do que ter informações quentinhas entregues até você, é preciso conseguir navegar entre elas para extrair o melhor da PGB.

Quer saber como? Entre em contato com um consultor GG.

Por que investir no público gamer segundo a PGB?

O mercado gamer é forte, expansivo e emergente. Ele mistura dois outros mercados que nunca saem de moda: a tecnologia e o entretenimento.

Enquanto o acesso à tecnologia continuar sendo facilitado e as produções midiáticas continuarem movimentando comunidades inteiras, a indústria de jogos seguirá atraindo holofotes.

No Brasil, sabemos que esse mercado tem dado passos cada vez mais largos. 70,1% da população brasileira afirma ter contato com jogos eletrônicos, o que significa que mais da metade do país é um cliente em potencial.

Isso explica a movimentação que muitas marcas têm feito nos últimos anos. Bancos, produtos alimentícios e vestuário: todos querem permanecer dentro do jogo.

E já que há bastante espaço para novos players, vale a pena apoiar-se na cultura data driven para alcançar o tão sonhado loot de ouro.

Baixe a versão gratuita e dê play o quanto antes 😉

Siga nossas redes sociais:

POSTS RELACIONADOS
27/11/2023
Gamificação: O guia completo com tudo o que você precisa saber
17/10/2023
Treinamento e Desenvolvimento: Como a gamificação pode melhorar o desempenho da equipe